quarta-feira, 14 de setembro de 2011

CASTELO E CORAÇÃO

Sol num castelo,
É como amor no coração,
No castelo reflete amarelo,
No coração, reluz ilusão.
Faz fumegar muralhas
E aquecer o peito na vil paixão,
É sombra aos que vão às batalhas,
E entorpecem o negro coração.

Como soldados por entre os muros,
Beijando as moças com gratidão,
Que febris de amores puros
Matam por juras um batalhão.
Meu castelo é o coração,
E o sol é o meu amor,
E se sofro tal invasão,
Sou soldado ferido, vil sonhador.
As cinzas anunciam a ruína,
E sem calor me torno frio,
E num vale de densa neblina,
Jaz meu castelo sombrio.


"Esta poesia participou do Concurso Nacional de Literatura Prêmio Cidade de Belo Horizonte - 2012 promovido pela Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte".

Nenhum comentário:

Postar um comentário