segunda-feira, 18 de março de 2013

SONETO V


Estou tentando te esquecer, juro!
Por favor, só não se aproxime demais.
Logo agora que me sinto seguro,
Mesmo eu resistindo e não dando sinais.

Já nem sinto o perfume dos seus cabelos,
Não gaguejo mais nas palavras ao te ver,
Tampouco me pego a lembrar dos seus beijos,
E sem seus abraços, tento não enlouquecer.

Você, que simplesmente sabe o que sinto,
Despoja meu amor, elevando meu sofrer,
E eu, ébrio e humilhado, apenas consinto.

Espero que o tempo possa te amadurecer.
Desejo-te até, que de amor nunca sofra.
Pois sofrer assim como eu, é melhor morrer.

"Essa poesia participou do Concurso Nacional de Literatura Prêmio Cidade de Belo Horizonte - 2012 promovido pela Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte".

Nenhum comentário:

Postar um comentário