sexta-feira, 25 de novembro de 2011

AQUELE BEIJO



Aquele beijo
Que de ti arranquei,
Num breve lampejo,
Para sempre guardei.

Foi um beijo de amor?
Ou será de paixão?
Foi difícil e com suor,
Que te dei de coração.

Sua doce frescura,
Que a mim laçou,
Me pegou com ternura
E não mais soltou.

Seus cabelos de lua,
Seu hálito de hortelã,
Uma beleza só tua,
Doce fruta romã.

Minhas tardes vazias
Vivem a recordar,
Tuas mãos macias,
Teu castanho olhar.

A bela brancura
Que chamei de Capitú,
Tem aroma de açucena
E o beijo de caju.

Do beijo no susto,
Fico agora a lembrar, 
No momento injusto,
O teu lábio tocar.

Quero ter outra chance
De seus lábios beijar,
E minha boca ao alcance,
Do seu mel provar.

Quero ser consumido,
E sozinho a rezar,
Noutro beijo escondido,
Vivo só a pensar. 


"Esta poesia participou do Concurso Nacional de Literatura Prêmio Cidade de Belo Horizonte - 2012 promovido pela Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte".