terça-feira, 12 de março de 2013

SONETO IV




Não fosse o som da cigarra na gameleira,
Entoando a melodia da fúnebre crueza,
Seria dia de mormaço na capoeira,
E um silêncio impar, na cidade da tristeza.

E era meio dia, quando eu vagava vazio,
Entre os nomes e datas nas lápides,
Pensativo em mim, moribundo e frio,
A aspirar sob os mármores das calátides.

O homem merece a gélida sepultura,
Nas madeiras secas, ter seu cruzeiro,
E na terra vermelha, vermes e amargura.

Céu ou inferno, qual me valerá primeiro?
Livra-me Deus, da negra desventura,
E nessa paz do silêncio, eu seja herdeiro.


"Essa poesia participou do Concurso Nacional de Literatura Prêmio Cidade de Belo Horizonte - 2012 promovido pela Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte".

Nenhum comentário:

Postar um comentário